Microfone Aberto
Das 11:00 às 12:00
com Adailton Amorim

Informativo 89

Protesto cobra ajuda a trabalhadores da área cultural do RN durante pandemia do coronavírus

Trabalhadores da área cultural do Rio Grande do Norte fizeram uma manifestação na manhã desta segunda-feira (10) para cobrar ajuda governamental à categoria durante a pandemia do novo coronavírus.

O ato teve uma carreata e foi encerrado na sede do governo do estado, onde os manifestantes entregaram um documento com reivindicações do grupo.

O protesto foi realizado por técnicos, produtores e artistas. Segundo o técnico de iluminação Anderson Galdino, sem perspectiva para retorno dos grandes eventos culturais, por causa da pandemia, os trabalhadores fazem um “pedido de socorro” para a categoria.

“Quem recebeu auxílio emergencial, não poderá receber o auxílio da lei Aldir Blanc [lei nacional que prevê auxílio para trabalhadores da área]. Tendo em vista que os eventos não têm data para voltar, a estimativa seria o meio do ano que vem, se voltar, então nós criamos esse movimento – SOS Backstage – para cobrar do poder público uma medida emergencial para esse pessoal. São milhares de famílias que estão precisando”, afirmou.

Após reunião com o assessores do gabinete civil, o produtor João Paulo Almeida afirmou que o governo prometeu ajudas pontuais, como entrega de cestas básicas a famílias que estão em situação mais delicada, porém, o grupo espera mais que isso.

“A cesta básica é um paliativo, mas você recebe ela hoje e em poucos dias acaba. A gente quer um norte, mais ou menos, de quando poderá voltar, e, se ele disser ‘até o São João’, o que o governo pode fazer pela categoria até lá”, disse.

O cantor Pedro Lucas afirmou que a classe foi muito atingida, e quer pelo menos saber quando vai voltar a atuar, qual será a capacidade dos eventos e que medidas protetivas de segurança vão ser adotadas.

Ele lembrou que atualmente já há pequenos eventos, como apresentações em restaurantes, mas eles não são suficientes para atender a todos os trabalhadores.

“Grandes eventos mobilizam grandes equipes, então, com as equipes reduzidas, nem todos são contemplados. Você tem que escolher quem vai trabalhar e qual é o pai de família que vai ficar em casa”, diz.

  • 11 - ago/2020
  • Protesto cobra ajuda a trabalhadores da área cultural do RN durante pandemia do coronavírus

    Trabalhadores da área cultural do Rio Grande do Norte fizeram uma manifestação na manhã desta segunda-feira (10) para cobrar ajuda governamental à categoria durante a pandemia do novo coronavírus.

    O ato teve uma carreata e foi encerrado na sede do governo do estado, onde os manifestantes entregaram um documento com reivindicações do grupo.

    O protesto foi realizado por técnicos, produtores e artistas. Segundo o técnico de iluminação Anderson Galdino, sem perspectiva para retorno dos grandes eventos culturais, por causa da pandemia, os trabalhadores fazem um “pedido de socorro” para a categoria.

    “Quem recebeu auxílio emergencial, não poderá receber o auxílio da lei Aldir Blanc [lei nacional que prevê auxílio para trabalhadores da área]. Tendo em vista que os eventos não têm data para voltar, a estimativa seria o meio do ano que vem, se voltar, então nós criamos esse movimento – SOS Backstage – para cobrar do poder público uma medida emergencial para esse pessoal. São milhares de famílias que estão precisando”, afirmou.

    Após reunião com o assessores do gabinete civil, o produtor João Paulo Almeida afirmou que o governo prometeu ajudas pontuais, como entrega de cestas básicas a famílias que estão em situação mais delicada, porém, o grupo espera mais que isso.

    “A cesta básica é um paliativo, mas você recebe ela hoje e em poucos dias acaba. A gente quer um norte, mais ou menos, de quando poderá voltar, e, se ele disser ‘até o São João’, o que o governo pode fazer pela categoria até lá”, disse.

    O cantor Pedro Lucas afirmou que a classe foi muito atingida, e quer pelo menos saber quando vai voltar a atuar, qual será a capacidade dos eventos e que medidas protetivas de segurança vão ser adotadas.

    Ele lembrou que atualmente já há pequenos eventos, como apresentações em restaurantes, mas eles não são suficientes para atender a todos os trabalhadores.

    “Grandes eventos mobilizam grandes equipes, então, com as equipes reduzidas, nem todos são contemplados. Você tem que escolher quem vai trabalhar e qual é o pai de família que vai ficar em casa”, diz.

    - Sites para rádios com stream e App grátis - microsysteminfo.com.br -