Suplemento Musical
Das 00:00 às 04:29
com - . -

Informativo 89

UERN: Residência Universitária impulsiona política de permanência nos cursos de graduação

Com a adoção da política de cotas, a Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) impulsionou o processo de democratização do acesso ao Ensino Superior. No entanto, não basta apenas garantir igual oportunidade de ingresso para todos, sobretudo para aqueles em situação de maior vulnerabilidade social. É de fundamental importância assegurar que estes alunos possam permanecer na Instituição e concluir o curso.
“Nos últimos anos, a UERN vem, através das cotas sociais, de pessoas com deficiência e mais recentemente com a aprovação das cotas étnico-raciais, consolidando a democratização do acesso ao Ensino Superior. Com isso, a Universidade tem o desafio de garantir a permanência, impulsionando as políticas não só para garantir o acesso, mas dar condições que ele conclua o curso e sua trajetória acadêmica seja de sucesso. A Residência Universitária é um grande instrumento dentro dessa política”, avalia o pró-reitor de Assuntos Estudantis, Erison Natécio.
Paralelo ao avanço no processo de oportunizar o acesso igualitário ao Ensino Superior, a Universidade expandiu o programa de Residências Universitárias. Em 2013, eram quatro residências ofertadas apenas em Mossoró, hoje são 12 unidades, em cinco campi: Mossoró, Assú, Caicó, Natal e Patu. As Residências Universitárias dão oportunidade aos estudantes de outras cidades e estados de permanecerem na cidade onde fazem o seu curso. Além de um espaço para moradia, o programa também contribui para o acolhimento desses estudantes e possibilita uma vivência com outros discentes, compartilhando a experiência de morar longe de familiares e amigos.
Para a estudante Erika Naiara, do curso de Pedagogia, a Residência Universitária foi fundamental para que pudesse chegar até o final do curso.
“Sem o programa eu não teria conseguido permanecer na Universidade, visto que não teria como arcar com gastos de aluguel, luz, água e internet. Também vejo como benefício, o fato de conviver com várias colegas, de diferentes gostos, diferentes formas de pensar, isso me levou a chegar a um nível de maturidade enorme na qual hoje compreendo e aceito as decisões do outro com maior facilidade”, declara a estudante, que é de Patu.
Erika Naiara, inclusive, utilizou sua experiência como tema do seu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC).
“De início, meu trabalho era voltado a uma autobiografia, pensei em contar sobre minha trajetória na UERN”, explica. O estudo é intitulado “O papel da assistência estudantil na trajetória das estudantes de pedagogia/UERN” e tem como objetivo compreender como se estabelece o papel da assistência estudantil na vida das estudantes de Pedagogia.
O estudante Paulo da Silva Santos também enfatiza a importância do programa. Ele é de Salvador (BA), veio para Mossoró para cursar Geografia na UERN e encontrou na Residência Universitária o apoio necessário para seguir na graduação.
“A Residência Universitária é de suma importância, principalmente para nós, alunos oriundos de outros estados e de baixo poder aquisitivo. O programa ajuda a realizar o sonho de diversos jovens, como eu de ter uma graduação”, afirma o graduando.
A graduanda do curso de Turismo, Raquel Sales, é da cidade de Chorozinho (CE) e ratifica o papel que as Residências Universitárias têm na vida dos estudantes.
“Se não fosse a Residência Universitária, eu não estaria aqui, fazendo o curso que sempre desejei”. Ela ressalta que o programa oferece oportunidade para aqueles que estudam em cidade longe da sua de origem tenham uma boa moradia e sejam acolhidos, possibilitando assim dar continuidade ao sonho de concluir a graduação.
Titular da Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis, Erison Natécio informa que está em análise no Conselho Diretor da UERN a proposta de redimensionamento do programa de moradia estudantil, na perspectiva de expansão. A ideia é ampliar e otimizar as ações do programa.
“O intuito é que o programa possa ser ofertado em duas modalidades: na forma de Residência Universitária, que é a que temos hoje, e a outra modalidade seria auxílio financeiro ao estudante”, informa o pró-reitor. Ele justifica que em algumas cidades, como Pau dos Ferros, existe a dificuldade de encontrar um imóvel que atenda todas as exigências legais para contratar com o serviço público.
“Dada a essa dificuldade, a gente vai buscar expandir o auxílio-moradia e assim fazer que mais alunos sejam contemplados”, enfatiza.
A proposta está em tramitação no Conselho Diretor e a expectativa é que seja aprovado para implementação no próximo semestre.
Fonte: UERN

  • 26 - jun/2019
  • UERN: Residência Universitária impulsiona política de permanência nos cursos de graduação

    Com a adoção da política de cotas, a Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) impulsionou o processo de democratização do acesso ao Ensino Superior. No entanto, não basta apenas garantir igual oportunidade de ingresso para todos, sobretudo para aqueles em situação de maior vulnerabilidade social. É de fundamental importância assegurar que estes alunos possam permanecer na Instituição e concluir o curso.
    “Nos últimos anos, a UERN vem, através das cotas sociais, de pessoas com deficiência e mais recentemente com a aprovação das cotas étnico-raciais, consolidando a democratização do acesso ao Ensino Superior. Com isso, a Universidade tem o desafio de garantir a permanência, impulsionando as políticas não só para garantir o acesso, mas dar condições que ele conclua o curso e sua trajetória acadêmica seja de sucesso. A Residência Universitária é um grande instrumento dentro dessa política”, avalia o pró-reitor de Assuntos Estudantis, Erison Natécio.
    Paralelo ao avanço no processo de oportunizar o acesso igualitário ao Ensino Superior, a Universidade expandiu o programa de Residências Universitárias. Em 2013, eram quatro residências ofertadas apenas em Mossoró, hoje são 12 unidades, em cinco campi: Mossoró, Assú, Caicó, Natal e Patu. As Residências Universitárias dão oportunidade aos estudantes de outras cidades e estados de permanecerem na cidade onde fazem o seu curso. Além de um espaço para moradia, o programa também contribui para o acolhimento desses estudantes e possibilita uma vivência com outros discentes, compartilhando a experiência de morar longe de familiares e amigos.
    Para a estudante Erika Naiara, do curso de Pedagogia, a Residência Universitária foi fundamental para que pudesse chegar até o final do curso.
    “Sem o programa eu não teria conseguido permanecer na Universidade, visto que não teria como arcar com gastos de aluguel, luz, água e internet. Também vejo como benefício, o fato de conviver com várias colegas, de diferentes gostos, diferentes formas de pensar, isso me levou a chegar a um nível de maturidade enorme na qual hoje compreendo e aceito as decisões do outro com maior facilidade”, declara a estudante, que é de Patu.
    Erika Naiara, inclusive, utilizou sua experiência como tema do seu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC).
    “De início, meu trabalho era voltado a uma autobiografia, pensei em contar sobre minha trajetória na UERN”, explica. O estudo é intitulado “O papel da assistência estudantil na trajetória das estudantes de pedagogia/UERN” e tem como objetivo compreender como se estabelece o papel da assistência estudantil na vida das estudantes de Pedagogia.
    O estudante Paulo da Silva Santos também enfatiza a importância do programa. Ele é de Salvador (BA), veio para Mossoró para cursar Geografia na UERN e encontrou na Residência Universitária o apoio necessário para seguir na graduação.
    “A Residência Universitária é de suma importância, principalmente para nós, alunos oriundos de outros estados e de baixo poder aquisitivo. O programa ajuda a realizar o sonho de diversos jovens, como eu de ter uma graduação”, afirma o graduando.
    A graduanda do curso de Turismo, Raquel Sales, é da cidade de Chorozinho (CE) e ratifica o papel que as Residências Universitárias têm na vida dos estudantes.
    “Se não fosse a Residência Universitária, eu não estaria aqui, fazendo o curso que sempre desejei”. Ela ressalta que o programa oferece oportunidade para aqueles que estudam em cidade longe da sua de origem tenham uma boa moradia e sejam acolhidos, possibilitando assim dar continuidade ao sonho de concluir a graduação.
    Titular da Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis, Erison Natécio informa que está em análise no Conselho Diretor da UERN a proposta de redimensionamento do programa de moradia estudantil, na perspectiva de expansão. A ideia é ampliar e otimizar as ações do programa.
    “O intuito é que o programa possa ser ofertado em duas modalidades: na forma de Residência Universitária, que é a que temos hoje, e a outra modalidade seria auxílio financeiro ao estudante”, informa o pró-reitor. Ele justifica que em algumas cidades, como Pau dos Ferros, existe a dificuldade de encontrar um imóvel que atenda todas as exigências legais para contratar com o serviço público.
    “Dada a essa dificuldade, a gente vai buscar expandir o auxílio-moradia e assim fazer que mais alunos sejam contemplados”, enfatiza.
    A proposta está em tramitação no Conselho Diretor e a expectativa é que seja aprovado para implementação no próximo semestre.
    Fonte: UERN

    - Sites para rádios com stream e App grátis - microsysteminfo.com.br -
    Eric Sogard Womens Jersey