Informativo 89

Conta de luz fica 5,6% mais cara em junho

O aumento na conta de luz começou a vigorar a partir desta terça-feira (1º). Com os níveis baixos dos reservatórios das hidrelétricas, a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) decidiu acionar a bandeira tarifária vermelha, patamar 2. Isso significa energia mais cara, com custo de R$ 6,243 para cada 100 kWh consumidos.

O efeito direto bolso do consumidor será um aumento de 5,6% em relação à conta de maio. Já o impacto indireto será sentido com a alta de produtos e serviços. “É mais um desafio, mais uma pedra no caminho na prestação de serviço e da produção industrial”, afirma o economista André Braz, coordenador do IPC do FGV IBRE.

O encarecimento dos serviços pode ocorrer a partir desse momento, por exemplo, você vai num salão de beleza e está mais caro, ou ao longo do período. Mas o impacto nos serviços e na produção industrial talvez não volte, mesmo que a bandeira vermelha só dure por dois ou três meses. É aí que está o maior risco. Muitos serviços já estão com preços defasados, com efeitos da pandemia, mercado de trabalho e queda no consumo das famílias. Então. por estar mais vulnerável pode promover um tipo de repasse que não volte à normalidade”, explica o economista.

Fonte: Agência Brasil

  • 02 - jun/2021
  • Conta de luz fica 5,6% mais cara em junho

    O aumento na conta de luz começou a vigorar a partir desta terça-feira (1º). Com os níveis baixos dos reservatórios das hidrelétricas, a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) decidiu acionar a bandeira tarifária vermelha, patamar 2. Isso significa energia mais cara, com custo de R$ 6,243 para cada 100 kWh consumidos.

    O efeito direto bolso do consumidor será um aumento de 5,6% em relação à conta de maio. Já o impacto indireto será sentido com a alta de produtos e serviços. “É mais um desafio, mais uma pedra no caminho na prestação de serviço e da produção industrial”, afirma o economista André Braz, coordenador do IPC do FGV IBRE.

    O encarecimento dos serviços pode ocorrer a partir desse momento, por exemplo, você vai num salão de beleza e está mais caro, ou ao longo do período. Mas o impacto nos serviços e na produção industrial talvez não volte, mesmo que a bandeira vermelha só dure por dois ou três meses. É aí que está o maior risco. Muitos serviços já estão com preços defasados, com efeitos da pandemia, mercado de trabalho e queda no consumo das famílias. Então. por estar mais vulnerável pode promover um tipo de repasse que não volte à normalidade”, explica o economista.

    Fonte: Agência Brasil

    - Sites para rádios com stream e App grátis - microsysteminfo.com.br -